O que são soft skills e hard skills? Quais habilidades são mais procuradas?

O que são soft skills e hard skills? Quais habilidades são mais procuradas?

Você sabe o que são soft skills e hard skills e qual a importância de ambas para a sua carreira? Saiba mais aqui!

 

Se nunca aconteceu com você antes, pode ter certeza que vai ocorrer um dia: a conhecida rodada de feedback. 

Então, uma pessoa vai sentar-se na sua frente e te dar uma devolutiva que começará sobre metas bem definidas numericamente. Até este momento, tudo está às claras. 

Até que essa mesma pessoa vai dizer algo como “você precisa ser mais colaborativo”. E, então, você trava. Afinal, o que significa isso? Vários pensamentos disparam na sua cabeça como: 

  • “Como vou conseguir ser mais colaborativo?” 
  • “Como consigo medir o quão colaborativo sou agora?”; 
  • “O que eu preciso fazer para conseguir aumentar este nível?”

Essas dúvidas são comuns, justamente porque é muito difícil medir nossa evolução neste sentido. Se uma pessoa diz que você precisa bater uma meta mensurável, como aumentar as vendas em 70%, é extremamente claro o que deve ser feito. 

No entanto, o que fazer se alguém diz que você precisa ser mais empático, pró-ativo, comunicativo, ágil ou ainda resiliente? Vamos falar mais sobre isso a seguir. 

Essa contextualização surgiu para demonstrar o que são as chamadas soft skills e fazer um contraponto com as hard skills

A ideia é trazer uma reflexão sobre quais são as habilidades mais procuradas nos profissionais para você conseguir desenvolver as suas e aumentar sua empregabilidade. Fique conosco e descubra! 

O que são soft skills?

Como mencionamos na introdução, metas comportamentais são bem abstratas e difíceis de medir. Por isso, as habilidades socioemocionais, chamadas de soft skills  não eram priorizadas no ambiente de trabalho antigamente. 

É mais fácil mensurarmos eficiência, produtividade e resultado, certo? E foi assim por anos… Mas o que são exatamente as soft skills?  

Segundo o livro “Fundamentals of Human Resources Management” (Noe, Hollenbeck & Gerhart, 2015), habilidades são a capacidade de uma pessoa em executar uma tarefa específica, ou ainda, realizar um trabalho bem feito. 

Elas podem ser divididas em elementos técnicos e elementos comportamentais. 

Assim, foram criadas grandes categorias de habilidades: se por um lado, temos a parte técnica, as hard skills, por outro, temos as consideradas habilidades comportamentais, as chamadas soft skills. 

Dentro dessa categoria, o leque pode ser bem amplo: inclui bom senso, capacidade de lidar com as pessoas e uma atitude positiva e flexível. Entram empatia, inteligência emocional, capacidade adaptativa diante de um problema, comunicação, organização das informações… 

O que são hard skills?

Em contrapartida, as hard skills são aquelas consideradas competências técnicas

São focadas para o cumprimento de tarefas específicas, enquanto as soft skills possuem uma aplicabilidade mais prática tanto na rotina profissional quanto na vida pessoal. 

As hard skills, como fazer um cálculo matemático, por exemplo, são mais fáceis de mensurar. Reflita: não parece mais óbvio medir as competências técnicas de um desenvolvedor de software ou a proficiência de idioma inglês a mensurar o grau de colaboração de alguém, ou ainda o grau do seu pensamento crítico?

Outra característica das hard skills é a transferência do conhecimento. É mais simples alguém detentor de uma informação específica conseguir transmitir para outra. 

Contudo, isso não acontece quando estamos falando especificamente de soft skills. O desenvolvimento dessas habilidades é um processo mais interno e pessoal.

Quais são as hard skills e soft skills mais procuradas pelo mercado de trabalho?

Assim, em um mundo analógico, onde a educação formal era mensurada por notas na prova ou indicador de inteligência, as habilidades socioemocionais foram deixadas de lado. 

No entanto, em uma realidade digital, as coisas começaram a mudar. Depois da popularização do conceito de Inteligência Emocional pelo psicólogo Daniel Goleman nos anos 1990, as Soft Skills ganharam notoriedade. Hoje em dia, são tão fundamentais no trabalho quanto às habilidades técnicas. 

E ainda mais procuradas. A pesquisa Global Trends Report do Linkedin, mostrou que  92% dos gestores de Recrutamento e Seleção consideram as habilidades socioemocionais igualmente importantes, senão mais importantes, que as hard skills. 

Além disso, 80% acreditam que habilidades sociais são cada vez mais essenciais para o sucesso da empresa. Algumas pesquisas mostram que as soft skills são  fundamentais para um mundo digital pós-crise.

Ao medir em pontos percentuais, o comportamento dos líderes mais bem sucedidos após o começo da pandemia, destacaram-se habilidades como: 

-“apoio e cuidado”; 

-“empoderamento e confiança”; 

– “tomada de decisão rápida e sob um cenário ambíguo”

Ou seja, os líderes bem mais sucedidos durante a pandemia demonstraram forte Inteligência Emocional e um leque robusto de soft skills.

Como aprimorar soft skills e hard skills?

Neste momento do post, fica bem claro como aprimorar as hard skills! 

Os caminhos são bem óbvios, basta mapear quais os cursos que fazem sentido para a sua profissão e ver quais as graduações são compatíveis com as habilidades técnicas que você gostaria de desenvolver. 

Por outro lado, vale enfatizar o caminho para o desenvolvimento de soft skills. 

Como são características comportamentais, desenvolvê-las fica a cargo da pessoa. 

Para isso, é muito importante passar por um processo de autoconhecimento, conseguir visualizar quais são as suas fraquezas e suas forças, para depois, pensar em como potencializá-las. 

Assim, faça uma reflexão individual sobre suas atitudes e comportamentos e pondere quais seriam interessantes aprimorar para destacar-se na sua profissão. 

Saiba que esse é um movimento que precisa vir do seu próprio esforço. 

Uma maneira de conseguir progredir no assunto é simplesmente submetendo-se a alguns cenários considerados mais desafiadores. Por exemplo, trabalho em equipe estimulado em um ambiente onde exista colaboração. 

Praticar a flexibilidade e tolerância envolve conversar com pessoas com pontos de vista totalmente diferentes dos seus. Dessa maneira, a dica final é realizar uma imersão em algum cenário que possa ser interessante para você desenvolver-se ou ainda qualificar-se. 

A graduação é um caminho para você conseguir se desenvolver nas duas categorias de habilidades. Afinal, os verdadeiros benefícios de fazer uma faculdade estão além das competências técnicas propriamente ditas. 

A graduação proporciona a oportunidade, por exemplo, de conhecer melhor sobre si mesmo. 

Ainda possibilita que você conviva com pessoas diferentes, literalmente, diariamente. 

Podemos dizer que conhecer outras realidades é tão enriquecedor quanto às matérias ministradas na sala de aula.

O verdadeiro valor real da faculdade está nas conexões que você cria durante esse período. Engrandece sua visão de mundo e te torna um ser humano mais crítico, empático e criativo.

Para finalizar, conseguir fazer uma faculdade demanda planejamento e organização. Com os direcionamentos corretos é mais fácil aproveitar as oportunidades, transformar as dificuldades em desafios e visualizar que SIM é possível fazer faculdade sem ter muito dinheiro.

Existem outras alternativas para você conseguir o apoio financeiro que necessita caso seja necessário. Saiba mais aqui! 

 

Gostou dessas dicas? Aqui no blog da Unicep você encontra dicas de como entrar na faculdade e como ir bem nessa nova fase, por exemplo, como os podcasts podem te ajudar. Explore!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *