Matriz GE/Mckinsey: O que é e como usar?

Matriz GE/Mckinsey: O que é e como usar?

Já ouviu falar sobre a Matriz GE-Mckinsey, mas não sabe do que se trata? Ela nada mais é do que uma ferramenta de estratégia utilizada pelas corporações multi empresariais, para definir uma ordem de prioridade de investimento entre suas unidades de negócio.

Ou ainda, é uma estrutura de portfólio de negócios extremamente sofisticada e precisa, que identifica as etapas estratégicas que as empresas precisam fazer para melhorar seu desempenho, sua participação no mercado e seu lucro.

Parece complicado, mas não é. Vamos estudar juntos para entender melhor!

E para ajudar ainda mais, disponibilizamos um link para que você possa ter uma ideia visual sobre como se organiza uma Matriz GE-Mckinsey.

Como funciona a Matriz GE/Mckinsey?

Essa matriz avalia um portfólio de negócios e disponibiliza os dados necessários para definir o melhor plano estratégico, de acordo com a prioridade de investimento para cada uma das unidades. Funciona como um regulador.

Essa ferramenta soluciona o problema das empresas de múltiplos negócios comparando cada uma das unidades e definindo qual delas se enquadra no bloco que vale a pena investir e qual delas deve ser deixada de lado.

Por exemplo: determinado segmento de mercado pode apresentar uma escassez de recursos, gerando grandes incertezas e instabilidade nas tomadas de decisões, como por exemplo, onde investir? De que forma o retorno será maior e garantido? Que produtos ou serviços possuem maior força de mercado, maior atratividade?

Esses e outros questionamentos são respondidos pela Matriz de nove caixas GE-Mckinsey, capazes de avaliar portfólios complexos, com até 100 produtos ou serviços, cada um deles com um desempenho diferente, uma função diferente.

O grande diferencial dessa Matriz é que indica com precisão onde vale a pena investir e qual ponto merece maior cuidado e análise. Isso faz com que as empresas deixem de colocar dinheiro onde não vale a pena e foquem exclusivamente onde a Matriz apresenta melhores resultados.

Como definir a atratividade da empresa através da Matriz GE/Mckinsey?

Pela lógica, quanto mais lucro a empresa tiver, mais atraente ela se mostra. Porém, são inúmeros os desafios que enfrentam uma empresa, e diversos são os fatores que influenciam no seu sucesso à longo prazo.

Para determinar essas informações, os analistas devem estudar as perspectivas de evolução da indústria a longo prazo, para vislumbrar os investimentos necessários, até porquê, fazer com que o produto gere maior e melhores resultados, exige tempo.

Como dissemos, uma correta avaliação dos fatores que determinam a atratividade de uma empresa, demanda estudo e conhecimento de todos eles. Na verdade, não existe uma lista formada com todos os fatores, sendo os mais comumente falados:

  • Estrutura da indústria
  • Tamanho da indústria
  • Crescimento a longo prazo
  • Segmento de mercado
  • Rentabilidade
  • Sazonalidade
  • Fatores macroambientais
  • Disponibilidade de mão de obra
  • Tendência de preços
  • Mudanças na demanda
  • Alteração no ciclo de vida do produto

Observação: Para se estabelecer com qualidade qual é a rentabilidade de sua empresa, utilize as Cinco Forças de Porter para determinar isso.

Como estabelecer a força competitiva de uma unidade de negócio ou de um produto/serviço?

A Matriz avalia quão forte é uma unidade de negócio em comparação a seus concorrentes, e é a partir dessa avaliação que os gerentes determinam se uma unidade possui vantagem competitiva ou não, ou se pelo menos possui uma vantagem temporária.

Apresentando uma vantagem competitiva sustentável, o próximo ponto para se observar é por quanto tempo essa vantagem se manterá. Os fatores determinantes que a Matriz avaliará para este quesito, serão:

  • Rentabilidade da empresa (utilize as Cinco Forças de Porter para determinar)
  • Força da marca
  • Lealdade do consumidor
  • Flexibilidade de produção
  • Nível de diferenciação de produto
  • Força de uma cadeia de valor (Indica-se que se utilize a Análise da Cadeia de Valor e Benchmarking para determinar essas informações)
  • Quota de mercado total
  • Crescimento da participação de mercado comparado aos concorrentes
  • Recursos ou recursos VRIO (Utilize a estrutura VRIO para determinar isso)

Como usar a Matriz GE/Mckinsey em minha empresa?

Para determinar com precisão qual a força de sua unidade de negócio e qual sua atratividade no mercado, você precisará de um consultor ou outro profissional altamente experiente, e o preço dessas análises pode ser alto.

Mas caso você queira utilizar essa Matriz em sua empresa, será imprescindível seguir os seguintes passos:

Primeiro passo: Determinar a atratividade de cada unidade de negócios

Faça uma lista com todos os fatores que determinam a atratividade de sua empresa. Para isso leve em consideração quais são os mais apropriados para seu setor.

Atribua pesos para cada um desses fatores.

Peso é o que determina a importância desse fator para a empresa. O peso mais baixo deve ser 0,01(não importante) e 1,0(muito importante). A soma de todos os pesos atribuídos deve ser igual a 1,0.

Avalie cada um dos fatores. Dessa vez é hora de dar uma nota para seus produtos/serviços ou unidade de negócios. Pode escolher de 1-5 ou de 1-10, sendo que 1 significa baixa atratividade de mercado e a nota 5 ou 10 significa maior atratividade no mercado.

Hora de calcular as pontuações totais.

Ou seja, somar todas as pontuações consideradas para cada unidade. Essas pontuações são calculadas multiplicando peso e classificação, de cada unidade, produto ou serviço.

Segundo passo: Determinar a força competitiva de cada unidade de negócios

Funciona exatamente como o primeiro passo, porém ao invés de avaliar a atratividade do setor, a força competitiva de uma unidade que é avaliada.

Faça uma lista com os fatores que determinam a força competitiva de sua empresa

Atribua pesos com notas entre 0,01 (não importante) e 1,0 (importante). Avalie fatores com notas de 1-5 ou de 1-10, sendo que 1 indica uma força fraca e 5 ou 10 indica uma força poderosa.

Calcule as pontuações totais.

Observação: para realizar esse passo com maior precisão, verificar com detalhes o primeiro passo.

Terceiro passo: Plotar as unidades de negócios em uma matriz

Após determinar a força e a atratividade, é momento de disponibilizar as unidades de negócios em uma matriz. Cada uma das unidades avaliadas é representada como um círculo e o tamanho desse círculo corresponde exatamente à proporção da receita comercial gerada por essa unidade.

Por exemplo: se a unidade “A” rende uma receita de 20% e a unidade “B” rende 40%, o tamanho do círculo que representa a unidade “A” deverá ser a metade do círculo que representa a unidade “B”.

Quarto passo: Analisar as informações

A partir do momento em que você disponibiliza cada unidade na Matriz e estabelece as pontuações, existem diferentes implicações de investimento que você deve observar para seguir.

Existem três grupos de caixas que podem alocar suas unidades dependendo de suas pontuações, como: Investir – Crescer / Selecionar / Sair do investimento ou colher. Dependendo em qual desses quadrantes se localizarem suas unidades, você tomará decisões diferentes de investimento.

Investir – Crescer:

Caso sua unidade caia dentro deste quadrante, entenda como uma oportunidade de investimento, afinal são as que mais prometem retornos no futuro.

Isso quer dizer que a unidade irá exigir mais dinheiro, para que seu crescimento seja constante e sua participação no mercado continue ativa. O investimento deve ser priorizado nos setores de P & D, propaganda, aquisições e para aumentar a capacidade de produção para atender demandas no futuro.

Selecionar:

É importante considerar realizar investimentos nessas unidades, quando se tem dinheiro de sobra, dos investimentos feitos nas unidades que estão em crescimento.

Afinal, as que ficam alocadas neste quadrante estão em um ambiente de incerteza e isso pode gerar dúvidas quanto aos investimentos, portanto, o ideal será acompanhar aos poucos as mudanças de mercado e ir se adaptando à essas mudanças.

Um dia essas unidades poderão passar para o quadrante de altos investimentos, ou então, caírem para o quadrante que indica para não investir – apenas manter um investimento de nível baixo que não reflita na sua receita até nova avaliação positiva.

Sair do Investimento:

Assim como esse quadrante indica, esse ambiente cheio de incertezas e pouco retorno financeiro pode ser a sua deixa para não realizar maiores investimentos. Neste caso é interessante que a verba seja direcionada de maneira simples e objetiva com o único intuito de manter esse setor em funcionamento.

Quinto passo: Identifique qual caminho que cada unidade de negócios deverá tomar no futuro

Esta etapa sugere o momento de observar. Cada unidade já foi avaliada e pontuada, já se definiu o valor de investimento para cada uma delas, ou não.

Umas unidades poderão se apresentar altamente rentável, sugerindo maiores investimentos. Outras poderão demandar investimentos mais balanceados, e ainda poderão se apresentar as unidades que não demandam investimentos.

Importante saber que cada uma dessas unidades não manterá o mesmo ritmo e estratégias para sempre. Por isso é importante se estabelecer um plano atual, que forneça dados suficientes para que o futuro possa ser planejado de acordo com eles.

Priorizar os investimentos é a ordem do sucesso e a Matriz GE-Mckinsey definirá com exatidão onde valerá a pena investir, quanto investir, em quais áreas das unidades, como, P&D, marketing, cadeia de valor.

Conclusão

Usar a Matriz GE-Mckinsey em sua empresa pode ser dispendioso, pois pode demandar contratação de analistas, leva tempo e muito esforço. Mas traz benefícios e retornos significativos já que é um dos meios mais indicados e mais importantes para conferir segurança aos investimentos.

É uma ferramenta extremamente valiosa que auxilia no gerenciamento de portfólios de produtos, serviços e com toda certeza trará segurança nas tomadas de decisões. Realmente não é fácil decidir onde investir, onde cortar investimentos e você definitivamente não precisa ter todo esse conhecimento por obrigação, já que existe esta ferramenta tão eficaz ao seu alcance.

Existem muitas informações a respeito dessa Matriz pela internet, se ficou interessado, continue pesquisando ou então busque um profissional da área para orientá-lo.

Caso tenha gostado do artigo nos indique para seus amigos, familiares e acesse nosso blog para descobrir um pouco também sobre a Análise Swot.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *