Conheça as 7 habilidades profissionais mais exigidas pelo mercado!

Conheça as 7 habilidades profissionais mais exigidas pelo mercado!

Mais do que acumular conhecimentos técnicos e habilidades profissionais, o mercado exige aptidões socioemocionais, capazes de potencializar sua produtividade e assertividade.

Estamos em um momento de transformação da realidade vigente. Seja por meio das relações de trabalho, quebras de paradigmas, decisões rápidas tomadas para atender as necessidades de um mundo dinâmico e inconstante… a verdade é que as coisas estão mudando e rápido.

Por mais que o sistema de ensino atual seja norteado pelas notas e avaliações, baseado fundamentalmente na preparação para os vestibulares, o mercado caminha para outro lado, exigindo pessoas emocionalmente estáveis, empáticas com espírito colaborativo e capazes de co-criar.

Em suma, para fazer parte de um mundo em constante transformação, é fundamental desenvolver conhecimentos além daqueles adquiridos na faculdade. São as chamadas habilidades socioemocionais que estão destacando-se até mesmo com relação aos conhecimentos específicos.

Aqui nesse post, vamos conversar mais sobre quais as habilidades exigidas pela nova economia e, ainda, como desenvolver cada uma delas. Vem com a gente!

O que o mercado espera de você?

Vale a pena ressaltar que o currículo básico da maioria das instituições dão prioridade ao ensino das competências técnicas e muitas vezes, deixam de lado a formação integral do indivíduo.

Então, existe um desalinhamento entre o que é ensinado na escola e o que é esperado pelo mercado de trabalho. Um dos maiores reflexos disso é a fase pré-vestibular, onde muitos estudantes encontram-se perdidos quando precisam escolher entre as carreiras, um indício evidente de falta de autoconhecimento.

Por isso, esse post tem duas funções: mostrar quais são as habilidades profissionais exigidas e, paralelamente, apontar nortes de como desenvolvê-las. Assim, você conseguirá preparar-se para entrar no mercado de trabalho com foco e destreza. Vamos a elas:

Conheça quais são as sete habilidades profissionais exigidas

1) Autoconhecimento

Como mencionamos acima, escolher uma profissão é um grande desafio, acompanhado por diversas pressões individuais e sociais. Assim, apenas uma pessoa com autoconhecimento estará apta para decidir com clareza.

Justamente por ser um fator determinante para certas escolhas da vida, essa habilidade é requerida pelas empresas. Envolve positividade, resiliência, saber explorar suas potencialidades e gerenciar as fraquezas. Autoconhecimento é uma habilidade que muitas vezes, demora uma vida inteira para conseguir desenvolver.

É processo interno onde é importante ter consciência, estar disposto a pedir ajuda, olhar para dentro de si e livrar-se de certos comportamentos. Existem diversas formas de começar a praticar essas ações, alguns exemplos são meditação, leitura e ajuda psicológica.

2) Inteligência emocional

Em um mundo cada vez mais tecnológico, existe uma preocupação constante sobre o impacto da inteligência artificial no futuro do trabalho. Ao mesmo tempo, a tendência é aumento da diversidade, dos ambientes multiculturais e da interação entre áreas e departamentos.
Todos esses fatores combinados apontam para a necessidade de uma inteligência emocional elevada, o que em suma, mostra como um profissional relaciona-se e reage às situações do dia a dia.

Essa habilidade é determinante para mundo corporativo e mercado de trabalho porque é fundamental em funções de gerenciamento e liderança, principalmente, pela necessidade de gerenciar perfis cada vez mais distintos e, na maioria das vezes, de gerações diferentes.

Para desenvolver a inteligência emocional é importante, primeiro, aprender a gerenciar desafios profissionais de forma equilibrada. Isso inclui lidar com as próprias emoções, como reagir às situações de estresse, ao relacionamento com grupo, etc.

3) Flexibilidade

Considerando que vivemos em um mundo VUCA e em constante transformação, ser uma pessoa flexível e adaptável é questão de sobrevivência. Os profissionais mais controladores e rígidos, com dificuldades de adaptar-se rapidamente, ficarão para trás.

Para desenvolver essa habilidade, é necessário, primeiramente, ter empatia, ser uma pessoa positiva, com amplitude de mundo e, em busca de novas possibilidades. Ouvir bem e prestar atenção, aprendendo com a experiência do outro.

Além disso, estar aberto a críticas, refletindo sobre o que pode extrair das devolutivas para melhorar o trabalho e aplicá-lo na resolução de novas soluções. Compreender as expectativas, refletir e abrir-se ao novo e ao diverso são outras maneiras de tornar-se uma pessoa mais flexível.

4) Criatividade

empregabilidade nos próximos anos é ser criativo. Com os avanços da inteligência artificial, podemos afirmar que a capacidade de inovar, trazer soluções ou enxergar uma abordagem diferente sobre determinado problema serão as habilidades mais valorizadas nos próximos anos.

Ser criativo pode ser mais fácil para alguns que para outros, no entanto, assim como competências e habilidades, a base de tudo é a informação e a execução. Para desenvolver a primeira parte, cerque-se de referências e fontes de inspiração. Na sequência, aplique suas ideias, na prática, crie protótipos e teste as suas soluções.

5) Versatilidade

Em 2030, cerca de 8% a 9% da demanda de trabalho será absorvida por profissões que ainda não existem. Considerando que estamos diante de um mercado cada vez mais competitivo, com perfis em constante evolução, a versatilidade e capacidade de adaptação serão mandatórios.

Assim, para destacar-se, é importante conhecer novas funções, áreas e ampliar seu conhecimento constantemente. Quanto mais limitado for o seu escopo de atuação, menor sua empregabilidade. Além disso, profissionais multifacetados, acostumados a trabalharem em projetos e/ou atividades temporárias serão valorizados.

A versatilidade será aplicada na adaptação aos diferentes tipos de cultura, estilos de gerenciamento e perfis profissionais. Para desenvolver essa habilidade, é importante ser alguém disposto sempre a aprender o novo, ligado em tendências e ávido por informações.

6) Comunicação

A evolução tecnológica, o aumento do trabalho em casa, a dinamicidade do mundo, as redes sociais, os memes…esses fatores indicam como a comunicação mudou. Para as próximas décadas, será necessário alinhar as informações, diminuir os ruídos, repassar o planejamento e estratégia, proporcionar uma experiência de usuário e transmitir a mensagem adequada nos mais diversos ambientes.

Dessa forma, para desenvolver essa habilidade em específico, é aconselhável praticar a escuta ativa, ouvir com atenção, ser empático, esperar pelo momento certo e ampliar seus conhecimentos para a construção de argumentos lógicos.

7) Pensamento crítico

As estruturas dentro das organizações estão cada vez mais abertas e menos hierarquizadas, e para isso, é exigido que as equipes estejam preparadas para serem questionadoras. Hoje em dia, existem uma quantidade infinita de fontes de informações disponíveis para construir-se um argumento válido.

Assim, profissionais dotados de pensamento crítico serão aqueles capazes de fazer análises e avaliações objetivas, em nome da tomada de decisão mais assertiva. Dentro dessa amplitude, aqueles que possuem capacidade de diferenciar informações e buscar fontes distintas de inspiração, ganharão destaque.

Como as habilidades socioemocionais aumentam a sua empregabilidade

Conhecer a si mesmo, ser versátil, flexível, dotado de ampla inteligência emocional, boa comunicação, ser criativo e capaz de construir argumentos sólidos… Essas são algumas das habilidades profissionais exigidas pelo mercado atualmente. Fora o que foi citado até agora, ainda existem outras que merecem destaque.

Para começar, um dos mais importantes é ser ágil. Isso significa gerenciar os recursos, otimizar os tempos e entregar resultados.

Falamos sobre a criatividade, contudo, importante ressaltar que é fundamental ter boas ideias e compartilhar. O foco agora é na equipe e em como pensar em soluções para resolver antigos problemas. A palavra de ordem é ser colaborativo.

Para comunicar-se melhor, é essencial desenvolver a empatia, ou seja, colocar-se no lugar do outro. As ideias precisam ser expressadas de maneira constante e efetiva, considerando as vivências de cada um dos envolvidos.

Enfim, a lista é longa. Diferentemente das competências técnicas, essas habilidades são consideradas intrínsecas aos seres humanos e alinhadas a valores pessoais e profissionais. Mesmo assim, ainda podem ser desenvolvidas, mesmo que seja um processo mais complexo a longo prazo durante toda a vida.

Abra-se a desenvolver as habilidades socioemocionais, adequando-se às mudanças, procurando inovação constante e acompanhando a rapidez dos novos cenários. Assim, você vai construir bases sólidas e agregar valor onde quer que passe.

O que achou dessas orientações? Aqui, no blog da Unicep, você encontra dicas e informações para aumentar sua empregabilidade, reconhecimento e avançar na sua trajetória profissional. Explore!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *