7 temas atuais para estudar para o Vestibular, Enem e Concursos

7 temas atuais para estudar para o Vestibular, Enem e Concursos

Todo vestibular e outros concursos, cobram assuntos da atualidade em questões fechadas e até em suas redações. À cada nova prova, novos assuntos surgem, gerando debates entre estudiosos, políticos e a sociedade como um todo.

São esses os temas que acabam sendo cobrados nessas avaliações, a fim de julgar seu conhecimento à respeito dele, seu domínio sobre o assunto e suas habilidades de discorrer sobre o tema em redação.

Nos tempos de hoje, inúmeros assuntos surgiram, dando luz também à diferentes interpretações e posicionamentos. É importante que você entenda esses assuntos e formule uma opinião clara, concisa e coerente à  respeito de tudo o que acontece no nosso país e no mundo.

Vamos então abordar 7 temas atuais para que você possa se preparar desde já!

1) Retrocesso em Direitos Coletivos

As mudanças políticas em todo o mundo vêm causando uma onda de conservadorismo, o que nos faz pensar muito onde estávamos e onde iremos parar. Devemos estar conscientes sobre os direitos coletivos, que acabam recebendo interferência direta dessas “novas políticas”.

A ONU (Organização das Nações Unidas),por exemplo, classifica como retrocesso a proposta de redução da maioridade penal. Afinal, o Brasil é o quarto país com a maior população carcerária do mundo.

É fácil compreender que reduzir a maioridade penal ou duplicar a quantidade de celas não será a melhor medida para resolver esses problemas. Na verdade, essa solução está longe do ideal.

Tais propostas não resultam na reeducação da sociedade, nem criam planos de ação que impeça os jovens chegarem até a cadeia. O plano nesse caso, é apenas aumentar o espaço para receber novos infratores.

Outro ponto que merece destaque na esfera dos direitos coletivos é a Reforma da Previdência Social,cujas novas propostas visam dificultar a concessão de aposentadoria, além de oferecer benefícios com valores mais baixos dos anteriores.

Por outro lado, existe o ideal de diminuir a crise econômica brasileira, mas não se pode perder de vista, o direito à uma vida digna aos inativos que já tanto contribuíram para o mercado de trabalho brasileiro.

A aposentadoria, além de levar conforto e qualidade de vida para os inativos, ainda impulsiona o consumo para essas classes,o que certamente contribui para a economia do país.

2) Fake News

O termo em inglês pode ser traduzido como “notícias falsas” e foram muito utilizadas durante a campanha que elegeu tanto Donald Trump como Jair Bolsonaro.

Durante as campanhas eleitorais, de ambos os presidentes citados, muitas fake news foram produzidas e compartilhadas, portanto, é tema é muito atual e de grande repercussão, pois a sua prática pode gerar conflitos e prejuízos para os envolvidos.   O objetivo é simples, porém o mecanismo de dispersão de fake news não.

Na última eleição brasileira foi constatado inclusive serviços de caixa dois, que nada mais era do que grupos de whatsapp, redes sociais no geral, que recebiam dinheiro para produzir e compartilhar informações e notícias falsas, apenas com o objetivo de prejudicar a candidatura de certos presidenciáveis.

3) Empoderamento Feminino

Esse é um assunto que vem gerando inúmeros debates ao redor do mundo e no Brasil não é diferente.

Desde a infância estamos acostumados com ideias e padrões de comportamentos que são impostos pela sociedade de maneira geral. Mulheres que são ensinadas desde pequenas como devem se vestir, para que não sejam “mal faladas” ou para que não sofram nenhum tipo de abuso quando, na verdade, deveríamos aprender a respeitá-las de todas as maneiras e em todas suas formas, independente da forma como se vestem e/ou como se comportam.

Mulheres que desde pequenas são ensinadas que beber e fumar, por exemplo, é um comportamento inadequado e que essa imagem será ruim para elas, quando na verdade elas possuem o mesmo direito dos homens, podendo igualmente se comportar e manifestar suas vontades e desejos.

Além de impor como elas deviam se vestir, como deviam se comportar e onde deviam estar, a sociedade ainda as ‘’coisificam’’, transformando-as em objetos sexuais, por exemplo, quando as vemos em certos comerciais de cerveja, sempre utilizando a mulher para representar um dos desejos e do lazer masculino.

Felizmente hoje a mulher vem conquistando, dia após dia e cada vez mais, seu espaço na sociedade e no mundo. Hoje, assumuem altos cargos em grandes empresas, cargos políticos, são grandes artistas, comerciantes e, enfim, são o que escolherem ser e merecem reconhecimento por isso.

Desde os primórdios as mulheres lutaram por seus direitos e hoje não seria diferente. Com essa onda de feminismo, empoderamento feminino, as mulheres nunca estiveram tão unidas e prontas para garantirem o lugar que de fato deveriam ocupar na sociedade.

4) Depressão

Essa doença sempre afetou a sociedade como um todo. Porém, atualmente vem preocupando muito a OMS (Organização Mundial de Saúde), afinal os números comprovam que com o tempo, até 2030, essa será a doença mais comum no mundo.

Quem tem essa doença conhece a dificuldade que é para explicar ou demonstrar como se sentem. Como se o corpo não estivesse em harmonia com o mundo, como se um vazio tomasse conta do seu coração e das suas vontades.

Tudo perde a graça, o interesse por atividades fica cada vez mais restrito, podendo, nos casos mais graves, pode ocorrer a perda total do interesse e até da vontade de viver.

Devemos lembrar também que o desânimo pode ser somente uma fase ruim, uma tristeza passageira, onde tudo, em pouco tempo e sem grandes prejuízos para as atividades corriqueiras voltam a ter valor e ganhar sentido. Porém, é importante dar a atenção necessária para o assunto, para que tudo isso não seja de fato uma depressão e acabe sendo ignorada, enquanto deve ser tratada.

A questão mais importante para curar a depressão de alguém é acreditar que ela existe e se conscientizar que é uma doença e então precisa ser tratada. Quando, por exemplo, desconsideramos os sentimentos de um jovem depressivo, apenas intensificamos o que ele está sentido, fazendo com que ele se sinta cada vez mais sozinho para enfrentar o problema.

E essa é a questão, acreditar, não permitir que quem sofre sofra sozinho. É importante saber que o apoio existe, que os amigos, família, acreditam no que a pessoa está enfrentando e estejam juntos na busca para superar essas adversidades.

Os debates à respeito da origem desse mal continua em todo o mundo e conforme a sociedade muda, os debates tendem a acompanhar as mudanças, sempre buscando uma resposta de como as condições diárias podem desencadear a depressão nas pessoas e a melhor forma de encará-la.

O nosso papel é acreditar, não realizar pré-julgamentos, menosprezar alguém ou desacreditar. Para enfrentar esse mal e superá-lo é necessário entender que isso é realmente uma doença.

5) Violência e Segurança Pública

Não é à toa que nos sentimos inseguros quando saímos de casa. O Brasil já foi eleito como um dos países mais violentos da América Latina – região considerada mais violenta do mundo.

A partir de uma pesquisa realizada pela ONU, em 1997, o Brasil ficou em terceiro lugar entre os países com as maiores taxas de assassinato por habitante e desde então a violência não cessou e/ou diminuiu.

Isso quer dizer que todos os dias pessoas são assassinadas, em maioria pessoas negras, membros da comunidade LGBTQ, mulheres. Mas o Brasil não se destaca apenas no ranking de assassinato por habitante, outro número que assusta muito é o da violência na forma de abuso sexual.

Um país onde a culpa do estupro é jogada para a mulher pela forma como se vestiu, ou para a criança, que deu “abertura” para o abusador, é um país que não visa sanar esse problema pela raiz, mas sim justificar os fins dessas ações.

Por essas razões tantas pessoas sofrem abuso desde cedo e não possuem coragem de se posicionar contra essa violência. Essa educação deveria vir de casa, ser também ensinada nas escolas. Porém, a falta dela cria vítimas caladas, que sofrem sozinhas acreditando que são elas as culpadas dessa situação e que o abusador não deve sofrer as punições necessárias.

Como então viver em um país onde a cultura do estupro existe, onde minorias são assassinadas todos os dias e a desigualdade existe como se não fosse nada demais? São esses os questionamentos que marcam o debate sobre violência e segurança.

6) Lei da Mordaça

Esse projeto de lei acusa professores e livros didáticos de doutrinarem, de ensinarem os alunos com o pensamento “esquerdista”, ou como tanto falam: a ideologia comunista.

Com tantos conflitos envolvendo o presidente da república e os demais eleitores com ideologias diferentes, esse projeto acaba por criar uma polarização entre direita e esquerda e faz com que a intolerância seja ainda maior, partindo agora para as salas de aula.

Porém, ainda que esse projeto tenha sido criado, ele é mal elaborado por não deixar claro como esses professores deveriam abordar os temas considerados obrigatórios, sem que fossem tachados de doutrinadores.

Ou seja, como ensinar então da maneira correta? Como a história deve ser contada? Como entender a sociedade e a desigualdade social?

Ou seja, a lei da mordaça acaba por interferir na troca de conhecimento entre professores e alunos, ferindo a liberdade de ensinar, pesquisar e de expressão do docente. Ainda impõe que termos como “orientação sexual”, “gênero”, não podem ser utilizados em sala de aula, garantindo que a diversidade não seja um tema comum e aceitável nesse universo.

7) Imigração e Xenofobia

Xenofobia é o termo utilizado para demonstrar repúdio, ódio, hostilidade para com estrangeiros. Seja em estados diferentes dentro de um mesmo país ou fora dele.

As pessoas que praticam essa violência contra os imigrantes justificam, muito comumente, que quem vem de fora, ocupam seus empregos, poluem seus países ou ocupam os lugares que os próprios moradores deveriam estar ocupando.

Como foi falado, esse preconceito não ocorre apenas com imigrantes de países diferentes. No Brasil mesmo existe um grande preconceito contra os nordestinos que viajaram até São Paulo em busca de emprego e qualidade de vida.

Vemos relatos de inúmeros lugares diferentes, de pessoas diferentes passando pelas mesmas situações. Estrangeiros apanhando de moradores locais, tendo seus carros e casas apedrejadas ou até mesmo sendo insultados na rua, pelo simples fato de que saíram de sua cidade natal, ou país de origem, para conhecerem e ganharem a vida em um lugar diferente.

Xenofobia é crime mas ainda assim existem pessoas que não sentem medo de expressar sua opinião contrária aos estrangeiros.

Nos últimos anos, o número de brasileiros que saíram do país foi muito grande e continua a aumentar. Como resultado vemos esses mesmos brasileiros sofrendo muito preconceito em países como Irlanda, Grécia, Estados Unidos, entre outros.

Conclusão

Sempre existe aquele tema que gera debates ao redor do mundo. Ao longo do tempo inúmeros temas já marcaram seu espaço, como guerras, atentados, eleições, copa do mundo, problemas sociais.

E cada um desses temas em algum momento acaba aparecendo em provas de vestibulares, concursos, nada mais justo e necessário que você acompanhe cada um deles para que esteja pronto no momento da avaliação.

Porém, apenas 7 assuntos da atualidade foram abordados neste artigo, e na verdade inúmeros temas são debatidos todos os dias, como Reforma da Previdência, Situação Indígena no Brasil, Educação, cabe a você sempre que possível ir atrás de novos conteúdos, se atualizar acompanhando jornais, debates online, matérias compartilhadas.

Para que você possa estar por dentro de tudo o que está sendo falado no mundo. Além desses conhecimentos te ajudarem a ser uma pessoa mais informada e com mais bagagem, você ainda estará preparada para responder qualquer questão ou escrever qualquer redação sobre o assunto que pedirem.

Gostou do artigo? Indique para algum conhecido e acesse nosso blog para se inteirar de vários assuntos universitários, como algumas dicas básicas para estudar antes de provas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *